Potencial Biodiesel

Energia que vem da naturez

Principais distâncias da Usina x Centros de Distribuição

// Biodiesel

O que é?

O biodiesel é um éster metílico ou etílico de óleos vegetais ou gorduras animais. Ele é produzido através de uma reação química denominada transesterificação de triglicerídeos, com álcool metanol ou etanol, tendo a glicerina como subproduto. A reação é catalisada com metilato de sódio. O catalisador mais comumente utilizado é o hidróxido de sódio.

Como é produzido?

O processo químico de produção do biodiesel é chamado de transesterificação.

  1. O óleo vegetal é neutralizado ou pré-tratado e, posteriormente, irá reagir na transesterificação, juntamente com o metanol e o metilato de sódio.
  2. A glicerina formada na reação é separada por decantação e purificada para retirar traços de metanol e umidade.
  3. Depois de separado do glicerol ou glicerina, o biodiesel é purificado.
  4. Finalmente o biodiesel é filtrado e está pronto para o uso, tanto puro como misturado ao óleo diesel, sem necessidade de modificações no motor do veículo ou equipamento.
  5. Todo o processo de fabricação leva cerca de 15 horas.
  • Composto de carbono neutro
  • Reduz a poluição atmosférica
  • É uma energia renovável
  • Substitui o diesel comum
  • Aumenta a vida útil do motor

O subproduto do biodiesel

Além do combustível propriamente dito, o processo de transesterificação produz glicerol: uma mistura de glicerina com resíduos de álcool e soda. O subproduto bruto pode ser usado como sabão ou desengraxante. Depois de purificada, a glicerina tem diversos usos nobres, inclusive para a produção de cosméticos e na indústria farmacêutica.

Destaque de um pé de soja, em um campo de plantação

Histórico

As primeiras referências ao uso de óleos vegetais no Brasil como combustível datam da década de 1920. Posteriormente, algumas pesquisas foram desenvolvidas no Instituto Nacional de Tecnologia, no Instituto de Óleos do Ministério da Agricultura e no Instituto de Tecnologia Industrial de Minas Gerais. Neste último, em 1950, registraram-se estudos sobre o uso dos óleos de ouricuri, mamona e algodão em motores diesel de 6 cilindros.

A partir dos anos 70, quando o crítico cenário energético mundial nos instigou a reduzir a dependência de petróleo importado, as pesquisas sobre óleos vegetais ganharam novo impulso.

Em 1980, a Resolução nº 7, do Conselho Nacional de Energia, instituiu o Programa Nacional de Produção de Óleos Vegetais para Fins Energéticos (Proóleo). Entre outros objetivos, pretendia substituir óleo diesel por óleos vegetais em mistura de até 30% em volume, incentivar a pesquisa tecnológica para promover a produção de óleos vegetais nas diferentes regiões do país e buscar a total substituição do óleo diesel por óleos vegetais. Neste período, o país produzia cerca de 15% do petróleo consumido e os preços internacionais eram os mais elevados de toda a história, resultantes do segundo choque do petróleo. Nos primeiros anos, deu-se maior atenção à soja. A partir de 1981, ao amendoim, e em 1982 à colza e girassol. Em 1986, a ênfase passou ao dendê. A meta era, em cinco anos, produzir 1,6 milhão de metros cúbicos de óleos para fins energéticos. Contudo, a viabilidade econômica era questionável, pois a relação de preços internacionais óleos vegetais/petróleo se mostrava inviável economicamente. Com a queda dos preços do petróleo a partir de 1985, a viabilidade econômica ficou ainda mais prejudicada e este programa foi progressivamente esvaziado, embora oficialmente não tenha sido desativado.

Também no início dos anos 80, a Secretaria de Tecnologia Industrial do Ministério da Indústria e Comércio (STI/MIC), desenvolveu e lançou o Programa Nacional de Alternativas Energéticas Renováveis de Origem Vegetal, com algumas linhas de ação relacionadas aos óleos vegetais combustíveis, que levaram ao Programa OVEG, voltado especificamente para a comprovação técnica do uso dos óleos vegetais em motores ciclo Diesel, com a participação de institutos de pesquisa, órgãos técnicos do governo federal, fabricantes de motores, fabricantes de óleos vegetais e empresas de transportes.

Foram desenvolvidos testes com ésteres puros (metílico e etílico) e misturas com 30% de éster metílico de óleo de soja, matéria-prima selecionada por sua maior disponibilidade.

No início dos anos 80, como resultado dessa primeira fase do biodiesel no Brasil, a empresa cearense Produtora de Sistemas Energéticos (Proerg) obteve a primeira patente brasileira de biodiesel, e produziu cerca de 300 mil litros de biodiesel utilizados nos testes. Essa empresa também desenvolveu um querosene aeronáutico à base de óleo vegetal, homologado no Centro Técnico Aeroespacial (CTA) em 1983.

A lei número 11.097 de 13 de janeiro de 2005, que criou o Programa Nacional de Produção de Biodiesel no Brasil além de dar incentivo às empresas produtoras de biodiesel tornou obrigatória a adição de 2% de biodiesel no óleo diesel vendido no país a partir de 2008, sendo que em julho do mesmo ano já foi possível implantar 3% e, em 2009 o percentual aumentou para 4%. Em janeiro de 2010 o acréscimo de biodiesel no óleo diesel subiu para 5%. O crescimento superou as expectivas iniciais do governo que era de alcançar esse índice somente em 2013. Com isso, a expectativa que a produção interna seja de mais de 2,4 bilhões de litros de biodiesel por ano.

< Voltar

Notícias

  • 21 fev 2018

    B10 está chegando e a demanda por soja aumentando

    Leia mais +
  • 09 fev 2018

    Parceria entre Grupo Potencial e Governo do Paraná permite a pavimentação de estrada na Lapa

    Leia mais +
  • 01 fev 2018

    Ubrabio esclarece dúvidas sobre o aumento da mistura de biodiesel no Brasil

    Leia mais +

Uma empresa do Grupo Potencial.